Espécies Arbóreas da Mata Atlântica

Este é o resultado da compilação de dados da literatura sobre a ocorrência de espécies arbóreas na Mata Atlântica, realizado por Marinez Ferreira de Siqueira (BDT – Fundação Tropical), Fernando Roberto Martins (UNICAMP), Jorge Y. Tamashiro (UNICAMP) e George J. Shepherd (UNICAMP), colocadas à disposição via Internet através de trabalho conjunto com a Base de Dados Tropical.

A Mata Atlântica, apesar de ser um dos mais diversificados ecossistemas florestais do Brasil, ainda é pouco conhecida floristicamente, existindo muita divergência quanto à conceituação do que é efetivamente Mata Atlântica e quais são os seus limites. (Leitão Filho 1993)
Originalmente, a Mata Atlântica abrangia, até o início deste século, 16 estados brasileiros, cobrindo cerca de 1.100.000 km² (SOS Mata Atlântica & INPE 1992/93), restando, atualmente, apenas 5% da sua cobertura original (CMA 1992). Este intenso desmatamento foi um dos fatores que motivaram a criação em 1991/92 da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica(CMA 1992).

A intenção é oferecer a pesquisadores e interessados no tema uma fonte de consulta sobre a flora arbórea da Mata Atlântica.

 

mata1 A Mata Atlântica, formação florestal distribuída ao longo da costa brasileira, formava, originalmente, uma faixa de mata contínua desde o estado do Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul. Hoje a Mata Atlântica e um dos ecossistemas mais ameaçados do planeta, restando aproximadamente 5% da sua cobertura original que abrangia,
até o início deste seculo, cerca de 1.100.000km² (SOS Mata Atlântica & INPE 1992/93).

A definição de seus limites ainda é controversa, alguns autores definem sua distribuição como restrita a faixa litorânea (Joly et al. 1991, Leitão Filho 1982), outros admitem uma penetração para o interior na Região Sudeste (Rizzini 1963, Romariz 1972).

A Mata Atlântica está distribuída ao longo de uma grande variação latitudinal, ocupando cerca de trinta graus de latitude, desde seu limite norte até o seu limite sul. Também possue grande variedade altitudinal, ocupando áreas desde o nível do mar podendo chegar até aproximadamente três mil metros de altitude no topo das serras. Esta distribuição geográfica ocasiona uma grande variedade ambiental (clima, relevo, solo etc). Por consequência, encontramos na Mata Atlântica uma grande variedade de espécies, concentrando neste ecossistema uma parte considerável da biodiversidade de flora e de fauna do Brasil e do mundo.

O nível de destruição observado na Mata Atlântica é tão alarmante que em 1992 este ecossistema foi elevado a categoria de Reserva da Biosfera (CMA 1992), numa tentativa de se conter o desmatamento, favorecer o levantamento da biodiversidade existente e estabelcer planos de manejo para a região. Ainda se conhece muito pouco a flora e a fauna. Por isso e tão importante a implantação de projetos visando primeiramente o conhecimento desta biodiversidade e posteriormente estabelecer planos de manejo viáveis para a Mata Atlântica.

Este banco de dados é resultado de uma primeira aproximação das espécies arbóreas ocorrentes na Mata Atlântica através de uma pesquisa bibliográfica, incluindo levantamentos feitos desde 1945 até 1994. Devido ao grande intervalo de tempo entre os trabalhos utilizados no banco de dados, o nome das espécies arbóreas encontradas foram atualizados de acordo com as revisões taxonômicas disponíveis na literatura, visando fornecer uma listagem atualizada dessas espécies.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *